sábado, 12 de junho de 2010

PROMOVENDO A APRENDIZAGEM PARA AUTISTAS


Pessoas com autismo são pensadores visuais. Seus pensamentos são concretos, transformando as imagens em objetos mentais. Em conseqüência dessa forma peculiar de ser, possuem dificuldades em: 
- Seguir ordens complexas com mais de uma instrução;  
- Imaginar conceitos abstratos como saudade, tristeza, preocupação, raiva, amor, etc; 
- Colocar-se no lugar do outro e entender sua intenção; 
- Compreender e usar metáforas, ironias e pronomes interrogativos . Exemplos: “olho maior que a barriga”, “esse menino é um touro”, “sem-teto”, “morrer de rir”, “o mar me convida para um mergulho”, "seu pai ficou preso no escritório",  "ele tem formiga no corpo", etc; 
- Aprender usando os meios usuais de ensino.

Em contrapartida possuem facilidade com: 
-  mesmice e rotinas; 
-  conteúdos que podem ser aprendidos visualmente; 
-  memorização.
 
Baseado nestas características o Modelo TEACCH - Treatment and Education of Autistic and Related Communication Handicapped Children (Tratamento e Educação de Crianças Autistas e com Perturbações da Comunicação)  resultou da investigação desenvolvida com o objetivo primeiro de ensinar aos pais técnicas comportamentais e métodos de educação especial adequados às necessidades dos seus filhos com autismo. Devido ao sucesso do método ele foi também adaptado para as escolas. Foi desenvolvido por Eric Shopler e seus colaboradores na década de 70, na Carolina do Norte.

Características do TEACCH: 
•          Individualidade na programação do currículo, ou seja, cada criança terá sua adaptação própria de acordo com suas habilidades; 
•          Instrução visual; 
•          Rotina com flexibilidade; 
•          Sinalização do ambiente, desde o óbvio, como sinalização nas portas, torneiras, no piso, no guarda-roupa, até as sinalizações mais complexas como as rotinas diárias; 
•          Ordenação universal, ou seja, apresentar sempre as atividades e rotinas da esquerda para direita e de cima para baixo, nunca ao inverso; 
•          Clareza e objetividade nas ordens, dando ênfase aos verbos e uma instrução por vez; 
•          Organização das tarefas em sistemas de trabalho, ou seja, tarefas organizadas em uma seqüência padrão em cujo material se encontra todo o objetivo a ser trabalhado com começo, meio e fim.

Objetivos do TEACCH:
    Ensinar a relação entre causa e efeito  
    Incentivar a comunicação  
    Ensinar habilidades para a vida adulta  
    Promover o máximo de independência reduzindo a ajuda do adulto  
    Promover clareza e sinalização do ambiente e tarefas 
    Apresentar visualmente instruções  
    Organizar a noção de fim  
    Manter a Rotina com flexibilidade  
    Respeitar a individualidade  
    Ensinar habilidades em situações as mais próximas das naturais.


Contribuições do TEACCH: 
- Favorecer a Generalização 
- Favorecer o Controle do comportamento 
- Estimular e desenvolver  a Atenção 
- Administrar a Sequencialização  
- O TEACCH não visa eliminar o padrão autístico, mas aproveitar o que o autismo provoca na pessoa.


O Método TEACCH também beneficia pessoas que apresentam: 
- Dificuldade na aprendizagem de conceitos 
- Foco excessivo em detalhes 
- Distrabilidade  
- Pensamento concreto 
- Dificuldade na associação de idéias 
- Dificuldade na generalização 
- Impulsividade e ansiedade 
- Anormalidades sensório-perceptuais.


Existem muitos cursos voltados a educadores e pais. Mas observo uma certa  resistência em adotar o método, já que muitos julgam que o mesmo robotiza a criança. A meu ver ,o método organiza o pensamento caótico do autista e o tranquiliza, pois compensa sua incapacidade de prever e de se auto organizar. Pessoas bem treinadas sabem utilizar o método de forma descontraída e sempre trabalhando a flexibilidade.
Um paciente de 12 anos sempre entrava em crise quando a professora faltava e vinha outra substituta. Ele era muito inflexível a qualquer tipo de mudanças, tanto em casa como na escola. E para evitar as "famosas crises", ninguém o contrariava. Mas imprevistos "sempre" acontecem para loucura dos pais e professores.  Inúmeras técnicas foram tentadas em vão. Tentaram explicar a ele antes, pois seu nível de compreensão era bom, mas não adiantava. Tentaram colocar a substituta um tempo com a professora em classe, mas era só a professora sair para ele começar a gritar e se auto agredir. O problema desapareceu quando ele foi treinado para entender e seguir sua rotina através de um "Horário de Atividades" ilustrado com todas as atividades que iriam ser feitas naquele dia, inclusive a falta da professora e a vinda da professora substituta, ou qualquer outra mudança inesperada. Se estava dentro do "Horário" ele aceitava, já que o mesmo fornecia todas as informações do seu dia, independente ou não de mudanças. Sem o "Horário" ele era incapaz de "Prever" se uma mudança na sua rotina afetaria o seu mundo de mesmices.

Exemplo de um "Horário de Atividades Escolares" baseado no Método TEACCH:

Exemplo de atividades adaptadas:



Ao invés de apresentar um quebra-cabeças da forma convencional, apresentar algo mais estruturado e com informação visual sobre o que deve ser feito.





Assim fica mais fácil entender o que deve ser feito e evita a possibilidade de erros, que "travam" o autista






Ao invés de simplesmente apresentar os brinquedos e esperar que a criança use de sua criatividade e brinque ...






... estruture a brincadeira assim, aproveitando para treinar a transferência, o emparelhamento e a categorização.

 

                                         Ou assim:


Um jogo da memória pode ser apresentado de uma forma mais estruturada, ao invés da tradicional ,e assim ensinar emparelhamento.


  
Sinalizar o ambiente é de extrema importância para o autista. Assim ele entende onde deve ir, evitando que se distraia:
 






Evite ordens complexas ou com mais de uma ação ao mesmo tempo. Uma ordem de cada vez: Não diga:  "João, pegue seus lápis de cor e faça a atividade!" Facilite, dê pistas: "João, vá ao armário! Agora abra! Pegue o lápis de cor! Venha para seu lugar! Agora sente-se e pinte o desenho!". Simplifique, ao invés de complicar! Ao invés de dizer: "João, parece que tem formiga no corpo, pare com isso e vá se sentar!", diga apenas: "João, sente-se!". 
Evite usar demasiadamente a palavra "Não". Você pode dizer: "João, ande!" em vez de dizer: "João, não corra!", João, coma com o garfo!" em vez de: "João, não coma com as mãos!". Mostre o que deve ser feito e não o contrário. Não perca tempo precioso tentando ensinar o que não deve ser feito. Mostre o que se espera dele e o que quer que seja feito.


Créditos fotos: Mariza Helena Machado ; Maria Elisa Granchi Fonseca, CEDAP, Pirassununga; APPDA - Lisboa 
 

11 comentários:

  1. informações valiozas!
    Obrigada!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo blog!!!! Sou professora e pela primeira vez vou dar aula para autistas na APAE,e o blog está me ajudando a sanar minhas dúvidas.

    ResponderExcluir
  3. Oi Chris, que bom que o blog lhe tem ajudado. Estou escrevendo um novo post sobre como iniciar o trabalho com autistas e logo estarei publicando. Acho que vai lhe ajudar bastante. Preciso só de um tempinho para fazer uma revisão. Aguarde, beijos e disponha.

    ResponderExcluir
  4. Muito bem explicadinho...eu trabalho método son-rise em nossos autistas, mas também utilizamos método teacch em sala, pois acho interessante essa estruturação e estágios do teacch, vejo avanços significativos com este método, mesmo que muitos critiquem que é mecanizado. abraço.

    ResponderExcluir
  5. Gostei demais das suas informações, eu não sei nada de autismo, mas quero aprender. Você falou de forma didática e fácil de entender.

    ResponderExcluir
  6. Gostaria de saber se vc tem algum materia para trabalhar com alunos com Sindrome do X frágil

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, veja o novo post sobre X frágil.
      Bem, para lhe informar, não existem fórmulas para nenhuma síndrome. Você deve conhecer a criança, avaliá-la, conhecer suas habilidades e interesses e planejar o ensino a partir daí, fazendo as adaptações curriculares necessárias. Toda criança é diferente, independente se tem ou não uma síndrome. Não há regrinhas prontas, mas você pode encontrar alguns métodos, como os visuais e por troca de figuras(TEACCH, PECS), que podem ajudar.
      Não esqueça que todas as crianças devem aprender as mesmas coisas, a forma que você vai utilizar é que será diferente e não o conteúdo.
      Abraços.

      Excluir
  7. Muito bom seu blog, suas informações foram bastantes proveitosas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Apareça mais, estou em falta com os posts, mas logo estarei retornando.
      Abraços

      Excluir
  8. Achei muito prático e bem explicado. São informações assim que necessitamos para trabalhar com nossos autistas. Temos que desmistificar o autismo para melhor entendermos e sabermos com ajudar nossos autistas.

    ResponderExcluir
  9. Muito legal. Obrigada pelas informações!

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário:

REVISTA AUTISMO - EDIÇÃO NÚMERO 0

REVISTA AUTISMO - EDIÇÃO NÚMERO 0
Pais brasileiros criam a primeira revista de autismo na América Latina, com 100% de voluntariado.

REVISTA AUTISMO - EDIÇÃO NÚMERO 1

AGENDA PÚBLICA - REVISTA AUTISMO

VISITE O BLOG DO ARTEAUTISMO E ...

VISITE O BLOG DO ARTEAUTISMO E ...
... CONHEÇA FILIPE, O ARTISTA QUE PINTOU ESSE QUADRO.

Campanhas

Campanhas
Manifesto Ser Diferente é Normal!

UNIQUE TYPES É UM MOVIMENTO CONTRA O PRECONCEITO

UNIQUE TYPES É UM MOVIMENTO CONTRA O PRECONCEITO
Usando as fontes você apoia a causa da AACD, mostrando que os os deficientes físicos podem fazer praticamente tudo que as pessoas sem deficiência podem.

Campanha 2010, tome uma atitude!

VERDE VIDA - Divulgue essa idéia!

VERDE VIDA - Divulgue essa idéia!
Visite o Blog

Campanha Pegada Ecológica - Calcule a sua!

Que marcas você quer deixar no planeta? Calcule sua Pegada Ecológica.

AMPUTADOS VENCEDORES - PARCEIRO

Amputados Vencedores

BLOG DA AUDIODESCRIÇÃO

BLOG DA AUDIODESCRIÇÃO
CONHEÇA, DIVULGUE!